testeira
 
HOME | A EMPRESA | NOSSOS SERVIÇOS | PARCEIROS | CONTATO
 
 
  NOTÍCIAS  
  voltar

02/01/2018 - Queda nos custos de eólica e solar e projeções do segmento até 2040

 

De acordo com o relatório anual de Bnef - Bloomberg New Energy Finance - agência que fornece análise e visão independente de vários temas relacionados, especificamente a questões relacionadas a energia em evolução, é sinalizado que:

1.        O custo da energia solar de painéis fotovoltaicos, que hoje é um quarto do que era em 2009, deverá baixar outros 66% até 2040;

2.        O custo da energia eólica onshore cairá 47% no mesmo período, graças a:

a.        Turbinas mais baratas e mais eficientes e;

b.        Procedimentos de operação e manutenção simplificados.

3.        Os custos da energia eólica em alto mar (offshore) cairão impressionantes 71% até 2040, puxados pela competição, risco reduzido e economia de escala resultante de projetos e turbinas cada vez maiores;

4.        Até 2040, um dólar comprará 2,3 vezes mais energia solar do que hoje;

5.        Até 2040, os painéis solares fotovoltaicos residenciais representarão até 24% da eletricidade na Austrália, 20% no Brasil, 15% na Alemanha, 12% no Japão e 5% nos EUA e na Índia.

Neste cenário, indica o relatório, as energias renováveis deverão receber quase três quartos dos US$ 10,2 trilhões que o mundo deverá investir em novas formas de tecnologia de geração até 2040.

Segundo o relatório, as fontes eólica e solar representarão 34% da geração de eletricidade até 2040, hoje representam 5%.

US$ 7,4 trilhões deverão ser investidos em novas usinas de energia renovável, o que representa 72% dos US$ 10,2 trilhões em investimentos projetados para geração de energia em todo o mundo. A fatia da energia solar será de US$ 2,8 trilhões – representando um investimento médio anual, até 2040, de US$ 121 bilhões e à eólica fica com US$ 3,3 trilhões – com investimento médio anual de US$ 144 bilhões, até 2040.

O mercado das baterias de armazenamento de energia

O mercado de baterias de íon de lítio para armazenamento de energia (fator preponderante para viabilização dos projetos de energias renováveis) acarretará investimentos de, pelo menos, US$ 239 bilhões entre hoje e 2040.

As baterias de pequenas dimensões, instaladas em residências e empresas ao lado dos sistemas fotovoltaicos, representarão 57% do armazenamento em todo o mundo até 2040.

Nota: De acordo com a Bnef, os carros elétricos aumentarão a demanda por novas fontes de energia para equilibrar a matriz. Na Europa e nos EUA, os veículos elétricos representarão 13% e 12%, respectivamente, da demanda por eletricidade até 2040.

E mais: o crescimento desses veículos reduzirá o custo das baterias de íon de lítio, provocando uma queda de 73% até 2030.

O carvão na geração de energia e a geração de CO2

O relatório encerra informando que o baixo custo das renováveis e maior uso de gás reduzirão o consumo de carvão em 87% na Europa até 2040, que nos EUA cairá 45% eliminação de usinas e queima de gás em substituição) e na China, crescerá um quinto na próxima década, mas atinge seu pico em 2026.

Globalmente, a demanda por carvão para geração de energia deve diminuir 15% entre 2016 e 2040, mas as emissões de CO2 aumentarão em um décimo antes de atingir o pico (daqui a 10 anos), sendo necessário um investimento adicional de US$ 5,3 trilhões, em ações de redução de emissões, para alinhamento da trajetória segura do planeta.

________________________________________________________________________________________________________________________

Os números e os dados indicam que um excelente mercado está surgindo, principalmente no segmento de painéis FV e baterias de íon de lítio, cujo investimento para as indústrias ingressarem como players não remontam altos valores, são alternativas de negócios que devem ser levadas em conta nos planejamentos plurianuais de indústrias diversificadas.

Há que se ter em conta, que, no Brasil, tais projetos são muito bem vistos e os financiamentos para implantação de unidades são bastante interessantes sob o ponto de vista de taxas, prazos e payback.

Para os empreendedores, que procuram alterar a matriz energética de suas unidades fabris, a melhor linha de financiamento está suspensa (fim da vigência do programa em 28/12/2017) no BNDES, conforme nosso comunicado 67 de 07/08/2017. Acreditamos, porém, que tais fundos e programas deverão ser retomados em breve, haja vista o foco do BNDES em responsabilidade social, ambiental e foco em energias renováveis...vamos continuar monitorando as informações.

A Nimitz está apta a prestar o apoio necessário ao seu empreendimento viabilizando os projetos.

GILBERTO FILOGONIO

Nimitz Consultoria Empresarial Ltda
São Paulo - SP – Brasil
Cel: (55) 11 98447 0228

Skype – gilberto.filogonio
gilberto.filogonio@nimitzconsultoria.com.br

www.nimitzconsultoria.com.br

 

 

 



 
R. Jandiatuba, 143 - Morumbi - CEP: 05716-150 – São Paulo - SP – Brasil
Tel: +55 (11) 2384-4425 / Cel: +55 (11) 984-470-228
contato@nimitzconsultoria.com.br
2013© - Nimitz Consultoria Empresarial Ltda - Todos os direitos reservados
Desenvolvimento: 5ª Ciência PPM